De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Portugal

Há 15 anos que este homem leva poesia às prisões

Filipe Lopes leva poesia às prisões há 15 anos, num projeto que tem como objetivo contribuir para a reabilitação dos reclusos, através da palavra, e ajudar a contrariar os estigmas sociais que pesam sobre aquelas pessoas.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, o voluntário de 42 anos explica que o projeto ‘A poesia não tem grades’ começou em 2003, a partir de uma iniciativa de leitura no Estabelecimento Prisional de Sintra, promovida pela Direção-Geral dos Serviços Prisionais, e da perceção de que, “apesar de se sentir uma pessoa bastante aberta, também ele tinha imensos preconceitos” em relação aos reclusos.

Para Filipe Lopes, é fundamental passar a mensagem à sociedade de que estas pessoas estão ali por causa de uma determinada história de vida, que poderiam ter tido “outro destino” que não aquele, e que ninguém está livre de cair ou errar.

“Existe a punição através da pena de prisão, mas temos de olhar para estes homens e mulheres também pelo seu contexto”, salienta o voluntário que com o seu trabalho espera contribuir para a “humanização” dos estabelecimentos prisionais.

Aquelas pessoas, assinala,  merecem ser “tratadas não apenas como um número, mas pelo seu nome”, porque “daqui a uma semana, a um ano, a dez anos vão ser o nosso vizinho do lado” e é essencial que saiam “como pessoas renovadas”.

As sessões de poesia na prisão duram cerca de hora e meia e Filipe Lopes destaca a importância do diálogo e da escuta para a recuperação dos reclusos.

“A palavra, o conseguir estar com aquela pessoa e ouvi-la no momento certo pode fazer a diferença para se calhar salvar vidas”, observa.

Habitualmente, o voluntário leva consigo cerca de “10, 15 poemas” para ler, além de “centenas de folhas com textos que possam ser aproveitados pelas pessoas”.

Os autores são variados, portugueses e estrangeiros, como Eugénio de Andrade, Florbela Espanca, António Lobo Antunes, Fernando Pessoa ou DH Lawrence e Charles Baudelaire.

No entanto, mais do que declamar poesia a intenção passa por “ouvir as pessoas” e desafia-las também à escrita, porque isso também ajuda a desabafar, a exprimir sentimentos.

“Cada pessoa tem a oportunidade de ler os textos que escreveu, de fazer as suas perguntas, de dizer aquilo que sentiu a ler”, explica Filipe Lopes.

Das “centenas de histórias que tem para contar”, o voluntário tem “uma marcante que não esqueceu” e que gosta inclusivamente de contar nas suas sessões: é a de um rapaz com cerca de 20 anos, que estava preso porque tinha caído no vício da droga.

“Ele disse-me que na prisão tinha ganho outro vício, o da leitura, e que ao ler determinados textos tinha sentido sensações tão fortes ou melhores do que aquelas que sentia quando tomava drogas”, recorda Filipe Lopes.

Sobre o futuro do projeto ‘A poesia não tem grades’, o voluntário natural de Tomar pretende atrair mais voluntários para esta missão.

Ao mesmo tempo, quer dar andamento a outros projetos em que está a participar, nomeadamente um que está diretamente ligado à prevenção do crime e da delinquência.

Filipe Lopes trabalha há vários anos com a Comissão Nacional de Proteção de Crianças e Jovens, sobretudo no contacto com as escolas; a ideia é prestar este serviço “cada vez mais cedo”, com as “famílias”, acompanhando-as, dando-lhes “competências” para que os mais novos não caiam nas margens da sociedade.