De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Mundo

Francisco desafia bispos católicos a denunciar abusos contra o povo

O Papa Francisco desafiou os bispos católicos do Peru a denunciar todos os “abusos” contra o povo, dando como exemplo a figura de São Toríbio de Mogrovejo (1538-1606), arcebispo de Lima.

“Nas suas visitas, pôde constatar os abusos e excessos que sofriam as populações nativas, não hesitando, em 1585, a excomungar o governador de Cajatambo, enfrentando todo um sistema de corrupção e uma rede de interesses”, recordou, numa intervenção que decorreu na sede da Arquidiocese de Lima, perante cerca de 60 prelados peruanos.

“A caridade deve ser sempre acompanhada pela justiça, e não há autêntica evangelização que não anuncie e denuncie toda a falta contra a vida dos nossos irmãos, especialmente dos mais vulneráveis”, acrescentou.

O Papa realçou a necessidade de “evangelizar o mundo da política”, lamentando os efeitos da corrupção na América Latina e o “fenómeno dos paraísos fiscais”.

Francisco, que esta manhã cumprimentou alguns reclusos, em privado, alertou para a sobrelotação das prisões, considerando que as mesmas funcionam como “escolas de corrupção”.

“A política está doente, está muito doente”, considerou, numa passagem improvisada.

O pontífice, admirador de São Toríbio de Mogrovejo – que nasceu em Espanha e estudou em Coimbra -, falou deste arcebispo como alguém que se mostrou sempre “ciente de que o bem espiritual nunca se pode separar do justo bem material e, menos ainda, quando se põem em risco a integridade e a dignidade das pessoas”.

Para Francisco, continua a ser necessário uma “profecia episcopal que não tem medo de denunciar os abusos e excessos cometidos contra o seu povo”.

O Papa apresentou São Toríbio como o “homem que soube chegar à outra margem”, deixando as comodidades do paço episcopal para percorrer o território que lhe estava confiado.

“Hoje chamá-lo-íamos um bispo «de estrada». Um bispo com as solas consumidas pelo muito andar”, precisou.

Francisco recordou que este arcebispo defendeu a ordenação de padres mestiços e procurou que os catecismos fossem traduzidos em quéchua e aymara, “visitando e vivendo com o seu povo” para aprender a falar a língua dos outros.

“Como é urgente esta visão para nós, pastores do século XXI, que – só para dar um exemplo – temos de aprender uma linguagem completamente nova, como é a digital! Conhecer a linguagem atual dos nossos jovens, das nossas famílias, das crianças”, prosseguiu.

Num olhar sobre o presente, o Papa convidou os bispos do Peru a trabalhar pela “unidade” da Igreja, evitando quaisquer divisões.

“Não podemos negar as tensões, as diferenças; é impossível uma vida sem conflitos. Estes exigem de nós – se somos homens e cristãos – que os enfrentemos e aceitemos”, assinalou.

No último dia de visita ao Peru, o pontífice agradeceu por dias “muito intensos e gratificantes”, da Amazónia ao Pacífico, continuando depois em conversa espontânea com os presentes.