De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Motores

Dakar2018: Carlos Sousa aponta ‘top 10’

O ‘veterano’ Carlos Sousa parte no sábado para mais uma participação no Rali Dakar, regressando para a 40.ª edição ao volante de um Renault depois de um convite “inesperado” e em busca de um lugar no ‘top 10’.

A participação no Dakar deste ano, depois de não ter marcado presença em 2017, “não estava de todo nos planos, foi um convite um pouco inesperado”, mas, depois de ser “apanhado de surpresa”, o facto de ser a 40.ª edição e a 10.ª em solo sul-americano convenceu o experiente piloto, que tem como objetivo “terminar nos 10 primeiros”.

“Não tenho como pensar noutro resultado que não este. As equipas de primeira linha são muito fortes, há logo 12 candidatos dessas equipas”, referiu à agência Lusa.

O piloto de Almada, que faz 52 anos no dia da 10.ª etapa, entre Salta e Belén, é um dos mais experientes pilotos do pelotão que este ano vai iniciar o Dakar, com 17 participações desde a estreia, em 1996, e um terceiro lugar em 2003 como maior destaque.

Além do pódio, Sousa conseguiu terminar por 10 vezes no ‘top 10’ da prova, o que demonstra a consistência que tem demonstrado na corrida.

Como navegador do luso no Renault Duster estará outra voz experiente da prova ‘rainha’ do todo-o-terreno mundial, o francês Pascal Maimon, que participa na prova desde os anos 1980 e, em 2002, se sagrou vencedor ao lado do japonês Hiroshi Masuoka.

Para Carlos Sousa, a primeira semana, no Peru, “vai decidir que não vai ganhar o Dakar”, porque as etapas de areia já vão ditar “uma diferença considerável entre os participantes”.

As dunas até podem beneficiar o português, uma vez que o caráter “mais difícil e técnico” das primeiras cinco etapas jogam a favor dos pilotos experientes, antes da altitude na Bolívia e das “zonas mais rápidas na Argentina”.

“Sendo a primeira semana mais técnica, vem mais ao de cima a experiência e menos a rapidez do piloto, e com tantos dias de prova já espero tratar o carro por tu quando sair da areia”, confessou.

Ainda assim, as muitas dificuldades que o Dakar apresenta são relativas, uma vez que “o que é difícil para um piloto num dia, para outro é no dia seguinte”, e todo o tipo de situações inesperadas podem acontecer no rali, desde “problemas técnicos, a saídas de estrada” que afetam a performance dos participantes.

A 40.ª edição do Rali Dakar em todo-o-terreno arranca no sábado, com partida em Lima, e termina em 20 de janeiro, em Córdoba, na Argentina.