De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Motores

Dakar 2017, 4ª etapa: Paulo Gonçalves parou para ajudar Toby Price

Paulo Gonçalves, em Honda,  atrasou-se bastante na etapa desta quinta-feira do Dakar2017 e deixou de figurar nos três primeiros, em dia marcado pela desistência do australianao Toby Price, em KTM, o vencedor em 2016 nas motas.

Depois de no último ponto de controlo ter assumido a liderança da tirada, Price caiu ao quilómetro 371 (de 416 cronometrados) da quarta etapa, entre San Salvador de Jujuy (Argentina) e Tupiza (Bolívia), e teve de ser helitransportado para o hospital, com fratura do fémur esquerdo.

Price caiu da mota quando transpunha um curso de água, a alta velocidade, embatendo com a perna numa superfície mais dura, segundo testemunhas do acidente tendo sido auxiliado por Paulo Gonçalves.

Sem Price em prova, a luta pela etapa acabou por ser favorável ao austríaco Mathias Walkner (KTM), em 4:57.22 horas, com o espanhol Joan Barreda (Honda) a defender bem a liderança da geral, a 2.02.

Entre os ‘perdedores’ do dia esteve o português Paulo Gonçalves, que partiu no terceiro lugar de Jujuy, a menos de 14 minutos de Barreda – foi 17.º na tirada, a 26.36 de Walkner.

Na geral, caiu para 12.º lugar, agora a 38.16 de Barreda. O britânico Sam Sunderland (KTM) desceu um pouco, de segundo para terceiro (14.36) e o novo segundo é agora o chileno da Husqvarna Pablo Quintanilha (22.16).

Hoje, e ao contrário do aconteceu nos primeiros dias, Paulo Gonçalves nem sequer foi o melhor português, com a distinção a ir para Hélder Rodrigues (Yamaha). Foi 24.º, a 24.31 de Walkner.

Hélder Rodrigues deu um ‘pulo’ considerável na classificação geral, subindo nove lugares, para 15.º, a 1:23.15 do primeiro.

Mário Patrão (KTM) seria o 20.º na jornada e Joaquim Rodrigues (Hero Speedbrain) o 32.º. Na tabela geral Joaquim Rodrigues manteve o 20.º lugar (oitavo no Grupo 2) e Patrão pouco mais abaixo, em 23.º (sobe quatro lugares).

Em automóveis, houve algumas movimentações, mas sem que o domínio dos Peugeot nesta fase da prova fosse contestado: venceu o francês Ciryl Despres (4:22.55), que arrebatou o comando ao seu colega de equipa e compatriota Sebastian Loeb.

Loeb perdeu mais de 25 minutos na primeira parte da etapa mas depois ‘reentrou’ no ritmo certo e no final cedia pouco mais de 22 minutos para Despres, limitando os ‘estragos’ de uma etapa bem difícil, novamente em altitude.

Pior esteve o espanhol Carlos Sainz, quarta-feira segundo da geral, que caiu numa ravina, já em estradas da Bolívia, o que o deixa fora da lista de candidatos ao triunfo final. Com ambições ainda está, sem dúvida, o francês Stephane Peterhansel, campeão no ano passado e hoje quarto, a um quarto de hora.

Na geral, Despres lidera com um avanço de 4.08 sobre Peterhansel. O terceiro é finlandês Mikko Hirvonen, com um Mini (a 5.04) e o quarto Loeb, a 6.48.

O mais temido dos rivais da Toyota, o catarense Nasser Al-Attyiah, que tinha tido graves problemas na véspera e só terminou com mais de duas horas de atraso, acabou por nem sequer iniciar esta quarta etapa.