De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Europa

Carro que não circula tem de ter seguro? Tribunal diz que sim

Tribunal de Justiça da União Europeia deliberou que um veículo tem de ter seguro, mesmo sem estar a circular.

O caso envolveu a proprietária de um automóvel matriculado em Portugal. Os problemas de saúde fizeram com que deixasse de conduzi-lo e estacionou-o no quintal de casa, sem nunca se preocupar em o retirar oficialmente de circulação. Jamais pensou que o filho entrasse no carro e, sem a autorização nem o conhecimento dela, fosse para a estrada. Muito menos pensou que a tragédia poderia acontecer. Mas aconteceu, em novembro de 2006.

O veículo despistou-se, causou a morte do filho, bem como de duas outras pessoas que se encontravam com ele na viatura.

À data do acidente, o carro não tinha um seguro de responsabilidade civil resultante da circulação do referido veículo (seguro de responsabilidade civil automóvel).

Sem seguro, foi o Fundo de Garantia Automóvel de Portugal a indemnizar os sucessores dos passageiros pelos danos resultantes do acidente. Como Andreia tinha de celebrar um seguro de responsabilidade civil para o veículo e que não cumpriu essa obrigação, o Fundo pediu o reembolso de 437 345,85 euros pago aos sucessores dos passageiros.

A proprietária alegou que não era responsável pelo sinistro e que, na medida em que tinha estacionado o veículo no quintal de casa e que não pretendia colocá-lo em circulação, não estava obrigada a celebrar um contrato de seguro de responsabilidade civil automóvel.

Doze anos mais tarde, esta terça-feira, o caso mereceu a apreciação do Tribunal de Justiça da União Europeia a pedido do Supremo Tribunal de Justiça em Portugal.

O Tribunal de Justiça da União Europeia deliberou que “a celebração de um contrato de seguro de responsabilidade civil automóvel é obrigatória quando o veículo em causa continua matriculado num Estado-Membro e está apto a circular, mas se encontra, unicamente por opção do seu proprietário que já não tenciona conduzi-lo, estacionado num terreno particular.”

Como o carro em causa se enquadra no conceito de «veículo», não deixa de estar abrangido pela obrigação de seguro prevista nessa diretiva, apenas porque o proprietário já não tem a intenção de conduzi-lo e o imobilizou num terreno particular. O Tribunal de Justiça da União Europeia deliberou ainda que o Fundo de Garantia Automóvel que pagou a indemnização às famílias das vítimas vai ser ressarcido pela proprietária do automóvel do valor de mais de 400 mil euros.