De que está à procura ?

alemanha
Lisboa
Porto
Berlim, Alemanha
Europa

Cerimónia solene na Catedral de São Paulo homenageia vítimas do incêndio da torre Grenfell

Uma cerimónia na Catedral de São Paulo, em Londres, homenageou esta quinta-feira as 71 vítimas e os 223 sobreviventes, incluindo seis portugueses, do incêndio na Torre de Grenfell, seis meses após uma das maiores tragédias no Reino Unido.

Cerca de 1.500 pessoas assistiram à celebração, seis meses depois do acidente, que juntou também líderes de várias religiões e que foi transmitida em direto na estação de televisão nacional BBC.

A missa, segundo a catedral, destinou-se a “lembrar os que morreram, a mostrar solidariedade com os enlutados e com os sobreviventes e a agradecer a todos os que ajudaram na altura da tragédia e depois”, incluindo bombeiros, polícia, equipas médicas, especialistas que recuperaram os corpos, vizinhos e voluntários.

“Hoje recordamos, com tristeza, com dor, com lágrimas. E prometemos que aqueles que perdemos não serão esquecidos. Hoje perguntamos porque é que os avisos não foram levados a sério, porque é que uma comunidade ficou a sentir-se negligenciada, sem atenção e sem ser escutada. Hoje temos esperança que o inquérito público chegue à verdade sobre tudo o que levou ao incêndio. E esperamos que a verdade traga justiça e reconciliação”, disse o bispo de Kensington, Graham Tomlin.

Na cerimónia estiveram, em representação da família real, o príncipe Carlos e a mulher, Camilla, o príncipe Guilherme e a mulher, Catherine, e o Príncipe Harry, e pelo Governo, a primeira-ministra, Theresa May, além de dirigentes de outros partidos, como o líder Trabalhista, Jeremy Corbyn.

No altar foi colocada uma faixa com o símbolo do coração associado ao movimento em torno das vítimas do incêndio e o repertório incluiu músicas de origem jamaicana e árabe e coros de escolas muçulmanas, simbolizando a diversidade ética da comunidade local.

O português Miguel Alves, um dos sobreviventes do incêndio, fez questão de assistir, acompanhado pela família.

“É importantíssimo nós estarmos presentes, em nossa honra e em honra das pessoas que faleceram”, justificou, em declarações à agência Lusa antes do evento.

O incêndio da Torre Grenfell causou 71 mortos, incluindo 18 crianças e o bebé Logan Gomes, nado morto de uma família de portugueses que vivia no 21.º andar, Márcio e Andreia Gomes, que têm mais duas filhas, Luana e Megan.

No início deste mês, dos 208 agregados com necessidade de realojamento, 118 ainda permaneciam em aposentos temporários, a maioria dos quais em quartos de hotel.

A outra família portuguesa que também residia na torre, no 13.º andar, Miguel e Fátima Alves, encontra-se numa residência provisória com a filha Inês, ainda menor, enquanto o filho Tiago, de 20 anos, só nos últimos dias uma acomodação para assim sair do quarto de hotel onde ainda permanecia.

Miguel Alves disse à Lusa estar a negociar uma indemnização para conseguir adquirir uma propriedade com condições equivalentes ao apartamento de três quartos do qual era proprietário.

“Para viver na área é preciso muito dinheiro”, admite.

Para aqueles que ainda não encontraram uma casa, o português disse que a situação “não é a ideal nesta altura do ano, quando se aproxima o Natal, mesmo para quem não é cristão”, lamentando: “As coisas estão a ir muito lentamente”.

Um inquérito público sobre o incêndio que atingiu a torre de 24 andares na noite de 13 para 14 de junho está a ser conduzido pelo juiz aposentado Martin Moore-Bick, mas um grupo de residentes reivindica a nomeação de um “painel imparcial e independente” com mais pessoas.

O estatuto de “participante principal” foi concedido a 424 pessoas ou grupos, incluindo sobreviventes, que podem ter acesso a documentos, fazer declarações em certas audiências, questionar testemunhas através de seus advogados ou sugerir perguntas aos investigadores.

A investigação mobilizou até agora 187 agentes da polícia, que recolheram 1.144 testemunhos, e está a investigar potenciais culpados, incluindo entidades coletivas, por homicídio involuntário, homicídio por negligência e violação de legislação de segurança contra incêndios.

A polícia estudou 31 milhões de documentos e 2.500 provas, tendo identificado 383 empresas “envolvidas ou relacionadas na construção ou renovação da torre Grenfell”.

“Os meus agentes e funcionários estão empenhados em fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para apoiar aqueles que foram tão profundamente afetados e em realizar uma investigação profunda e eficaz”, prometeu hoje a comissária da Polícia Metropolitana de Londres, Cressida Dick.

O resultado do inquérito só deverá ser conhecido no outono de 2018.