De que está à procura ?

Lisboa
Porto
Faro
Portugal

45 mil alunos colocados nas universidades portuguesas

Quase 45 mil alunos ficaram colocados no ensino superior público na primeira fase do concurso nacional de acesso, 49% dos quais no curso da sua preferência, segundo dados oficiais.

De acordo com os dados da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), 44.914 alunos conseguiram colocação nas universidades e politécnicos públicos, o que representa um aumento de cerca de 5% face a 2016 e o número mais elevado desde 2010.

Quase metade dos colocados entrou na primeira opção, ligeiramente abaixo dos 51% que o conseguiram em 2016.

Este ano, no entanto, o concurso nacional de acesso (CNA) registou um acréscimo de candidatos, que, pela primeira vez desde 2009, superou o número de vagas a concurso, o que pode dificultar a entrada no curso preferencial, sobretudo naqueles que registam habitualmente maior procura.

Às 50.838 vagas iniciais levadas a concurso foi preciso acrescentar 301 para resolver situações de empate entre candidatos com médias de candidatura iguais.

Apesar do número de candidatos superior ao número de vagas, sobraram 6.225 lugares, “uma diminuição de 22,4% em relação à mesma fase do concurso de 2016”, quando sobraram 8.022 vagas, e que vão agora ficar disponíveis para as fases subsequentes do CNA.

Quase 85% dos 44.914 conseguiram entrar numa das suas três primeiras opções.

A percentagem de candidatos colocados baixou um ponto percentual face ao ano anterior, dos 86,8% para os 85,7%.

Depois de o Governo ter apelado às instituições para um aumento do número de vagas nas áreas das tecnologias de informação e de Física, e de estas terem respondido com a criação de 150 novas vagas em cursos de licenciatura e mestrado nestas áreas, o CNA registou na primeira fase um aumento de 10% no total de colocados nestas áreas de estudo.

Os alunos puderam este ano escolher entre 1.062 cursos disponíveis e candidatar-se a 42.128 vagas para 952 licenciaturas, 8.547 vagas para 103 mestrados integrados e 163 vagas para sete cursos preparatórios de mestrado integrado.

As estimativas da DGES apontam para que este ano, no final de todas as fases do CNA e dos regimes especiais de acesso, entrem no ensino superior público 73 mil novos estudantes, 47 mil dos quais através do concurso nacional de acesso e mais de 6.800 nos cursos técnicos superiores profissionais (TESP), formações superiores curtas, de dois anos, ministradas nos institutos politécnicos, mas não conferentes de grau académico.

Segundo a tutela, “no ano letivo de 2016-2017 encontravam-se mais de 11 mil inscritos em TESP na totalidade de ensino superior”.

Os resultados da primeira fase estão desde hoje disponíveis para consulta no portal da DGES (http://www.dges.gov.pt), podendo ainda ser consultados através da aplicação de telemóvel ES Acesso.

A segunda fase do CNA decorre entre 11 e 22 de setembro, para os candidatos não colocados na primeira fase, para os colocados que queiram mudar de curso ou instituição e para os que não se candidataram na primeira fase.

A concurso vão as vagas sobrantes e aquelas em que não se efetivar a matrícula de alunos colocados na primeira fase.

Os resultados da segunda fase são divulgados a 27 de setembro.